5.12.05

Naquela noite que selamos a nossa vontade de nos vermos maiores, o abraço longo de nossos corpos calou para sempre a voz de todos os dias. Nos silenciamos em protesto à ausência futura, a uma não-presença de nós em nós mesmos. Dali em diante, desnudos, secos, talhados.


2 comentários:

Tata disse...

Muito lindo Su.
Beijos

PreDatado disse...

poetico-romântico; e eu gostei!